Petrobras apresenta Plano Estratégico e Plano de Negócios e Gestão 2017-2021 para empresários na FIRJAN

ic_evento-petro-geral_renata

A Petrobras apresentou seu Plano Estratégico e o Plano de Negócios e Gestão 2017-2021, em encontro com empresários na sede da FIRJAN. Pedro Parente, presidente da empresa, destacou que as ações terão como foco a redução do endividamento e promoção da segurança operacional. As metas incluem reduzir em 2,5 vezes a dívida líquida até 2018, e em 36% as taxas de acidentados.

De acordo com ele, as parcerias e desinvestimentos terão grande contribuição para que a empresa consiga atingir os resultados financeiros estipulados no plano. Entre as mudanças apresentadas, está a saída da estatal de segmentos como a produção de biocombustíveis e fertilizantes e a distribuição de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

O objetivo é reduzir o portfólio às atividades mais estratégicas e rentáveis, como a exploração da camada do pré-sal: “Introduzimos um novo valor à nossa atuação, que é a orientação ao mercado. Somos uma empresa que tem acionistas e precisa gerar valor”. As parcerias e venda de ativos tem potencial de gerar, em investimentos adicionais do setor privado, US$ 40 bilhões nos próximos 10 anos, de acordo com a Petrobras.

O presidente da estatal enfatizou, ainda, a preocupação com o fortalecimento da governança corporativa. Segundo ele, serão implementadas iniciativas para o controle interno, mas que não atrasem a tomada de decisão da empresa.

Conteúdo local e operador único

Parente ressaltou o posicionamento da empresa em relação à cláusula de Conteúdo Local, que considerou como importante para o país, porém, no momento atual, precisa ser redesenhada.

“A Petrobras é a favor do Conteúdo Local. Mas não podemos ser prejudicados por uma política que possui, hoje, um sistema rígido e que tem promovido atrasos. É preciso que haja aperfeiçoamentos”, declarou.

Ele também defendeu o fim do operador único, que obriga a Petrobras a participar com no mínimo 30% nos contratos de exploração do pré-sal. “É uma regra ruim para o país e para a empresa, porque o conjunto de experiência que temos nos permite ser seletivos e aplicar bem o capital, o que é necessário em momentos de retração econômica”, pontuou.

Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente do Sistema FIRJAN, destacou a importância de a companhia estar cada vez mais fortalecida. “A Petrobras está sob o comando de uma equipe muito competente. São executivos que têm o desafio de buscar a eficiência. Ficamos muito gratos pela empresa voltar ao Sistema FIRJAN para conversar com a base industrial a respeito do seu planejamento”, afirmou.

O evento aconteceu em 21 de setembro, na sede da Federação.

Fonte: Firjan