Uma excelente alternativa para a crise imobiliária

urbanrigger

Por Mônica Barbosa

Já falei aqui anteriormente sobre como o mercado de arquitetura e construção tem pensado em boas alternativas de residências que unem qualidade e preço acessível para suprir a demanda das metrópoles superpopulosas. E um exemplo mais recente dessa tendência é o novo projeto do renomado escritório dinamarquês BIG (Bjark Ingels Group) realizado na cidade de Copenhagen, o revolucionário Urban Rigger.

Feita de contêineres de carga reutilizados, a inovadora casa estudantil é uma estrutura flutuante e móvel de 680 metros quadrados que fica atracada no porto e funciona com energia solar e sistema de aquecimento de baixa energia. O local abriga até 12 universitários, que contam sua própria suíte e cozinha, além de belos espaços comuns como um pátio com jardim, uma plataforma para banho, área para churrasco, estacionamento de bicicletas, lavanderia e um terraço no topo da edificação. Tudo isso por 600 dólares ao mês – um ótimo valor se considerarmos os altos valores do mercado imobiliário de Copenhagen.

Esse projeto nasceu da consciência de que cada metro quadrado conta nas grandes cidades hoje. É por isso que obra está localizada em uma parte central da cidade, mas que ainda é pouco utilizada para moradia: a zona portuária. “Nos últimos anos assistimos ao aumento substancial do número de alunos que se deslocam na Dinamarca. Se o número continua a aumentar temos que apresentar soluções”, afirma o time de arquitetos.

E o mais legal é que o Urban Rigger também é uma ótima solução se pensarmos no aumento do nível do mar, uma consequência das mudanças climáticas que têm ocorrido no mundo. “Essa é a forma mais resiliente de construir uma casa porque ela se move com a água”, diz Bjarke Ingels, arquiteto e fundador do BIG. “É a única edificação que nunca sofrerá com as enchentes”, complementa Kim Loudrup, co-fundador do projeto Urban Rigger.

O segundo Urban Rigger será instalado ainda este ano na Suécia com 24 suítes e um terceiro deve aparecer em breve nos Estados Unidos. A ideia é que o modelo seja reaplicado em todos os lugares que estão passando por crises imobiliárias ou que não têm onde abrigar refugiados que fogem de lugares em conflito. “Talvez essa possa ser um jeito inteligente de aliviar situações estressantes não apenas colocando tendas temporárias, mas criando um ambiente seguro e de qualidade para que as pessoas morem”, afirma Ingels.

MÔNICA BARBOSA é reconhecida como a voz do design no Brasil. Idealizadora e diretora do LIVING DESIGN, a profissional multimídia estreou o primeiro programa de design no rádio no Brasil. Assina a coluna Design na revista semanal Caras e está presente no CarasBlogs, no Anuário de Decoração Caras e na revista mensal Minha Casa . Profunda conhecedora do comportamento estético, do estilo de vida e do morar contemporâneo, a publicitária se especializou em arquitetura e design ao desenvolver projetos de branding para grandes marcas do setor. A partir de 2016, é também parceira da Feicon Batimat, maior feira da construção civil da América Latina.